10 Razões para Aceitar a Ressurreição de Jesus como Fato Histórico

resurrection-of-Jesus

Quando deixei o ministério devido ao meu ceticismo, um dos fatores envolvidos na minha partida dizia respeito à confiabilidade dos documentos do Novo Testamento e à ressurreição de Jesus. As pessoas do Seminário de Jesus me fizeram desconfiar se eu poderia confiar no que o Novo Testamento diz e se eu poderia realmente aceitar a ressurreição literalmente corporal de Jesus de Nazaré. Em julho de 2005, minha vida mudou. Entrei na livraria cristã Lifeway em Winston-Salem, Carolina do Norte, e li três livros que mudaram minha vida mais do que qualquer outro livro fora da Bíblia.  Eu descobri Em defesa de Cristo, de Lee Strobel, Evidência que Exige um Veredito, de Josh McDowell e A Ready Defense, também de McDowell. Descobri que existem muitas razões para aceitar a ressurreição de Jesus de Nazaré como um fato histórico.

Ao longo dos anos, a evidência tem aumentado cada vez mais para a historicidade da ressurreição de Jesus. Este artigo irá fornecer 10 dos argumentos mais fascinantes para a ressurreição de Jesus de Nazaré. Esta lista não é exaustiva e minhas relações com cada argumento são extremamente breves. No entanto, espero que esta lista seja um ponto de partida para você considerar a autenticidade da ressurreição de Jesus.

1. As primeiras testemunhas oculares eram mulheres. As primeiras testemunhas oculares da ressurreição eram mulheres. Todos os Evangelhos observam que as primeiras pessoas a descobrir o túmulo vazio eram mulheres. Mateus observa que “depois do sábado, à medida que o primeiro dia da semana amanhecia, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro… O anjo disse às mulheres: ‘Não tenham medo, porque sei que vocês estão procurando Jesus que foi crucificado. Ele não está aqui. Porque ressuscitou, como disse. Venha e vejam o lugar onde ele estava’” (Mateus 28:1, 5-6) [1]. As mulheres não eram tidas em alta estima. Na cultura greco-romana, o testemunho de uma mulher não era admissível em tribunal. Nos círculos judaicos, foi necessário o testemunho de duas mulheres para equiparar o de um homem. Se inventassem uma história, as últimas pessoas que se colocariam como primeiras testemunhas seriam mulheres, a não ser que fosse verdade.

2. Fatos Mínimos Sobre a Ressurreição. Gary Habermas popularizou o chamado argumento de fatos mínimos para a ressurreição. Os fatos mínimos são aquelas coisas que são aceitas por quase todos os eruditos do Novo Testamento. Os fatos mínimos são “1. Jesus morreu por crucificação. 2. Os discípulos de Jesus acreditavam que Ele ressuscitou e lhes apareceu. 3. Paulo, o perseguidor da Igreja, mudou repentinamente. 4. O cético Tiago, irmão de Jesus, mudou de repente. 5. O túmulo estava vazio” [2]. Esses fatos são quase universalmente aceitos pelos estudiosos do Novo Testamento, incluindo os liberais.

3. Transformação dos Primeiros Discípulos. Como observado nos fatos mínimos, Tiago, o irmão de Jesus, mudou de um cético para um crente por causa da ressurreição. Tiago, juntamente com seus irmãos, não acreditava em Jesus durante o início do ministério de Jesus (ver João 7:5). No entanto, Jesus apareceu a Tiago (1 Coríntios 15:3-9) e Tiago se tornou um líder na igreja de Jerusalém. Sua morte é registrada por Josefo [3]. Paulo é outro exemplo de alguém que foi completamente transformado pela ressurreição de Jesus. Paulo tinha sido perseguidor da igreja. Depois de testemunhar Jesus ressuscitado, Paulo tornou-se um proclamador para a igreja.

4. Detalhes Embaraçosos da Ressurreição. Historicamente falando, detalhes embaraçosos acrescentam veracidade a uma alegação histórica. O fato de que as mulheres foram as primeiras testemunhas, que um membro do Sinédrio (o mesmo Sinédrio que executou Jesus) teve que dar a Jesus um enterro adequado, e que os discípulos estavam temerosos e fugiram, todos servem como fatores embaraçosos para o relato da ressurreição.

5. Vontade de morrer pelo que foi conhecido. Muitas pessoas morreriam pelo que acreditam ser verdade. Mas ninguém morreria por algo que erroneamente inventou. Os discípulos sabiam se eles estavam dizendo a verdade. Contudo, descobre-se que os discípulos estavam dispostos a morrer pelo que sabiam ser verdade. Estêvão morreu apedrejando (Atos 7:54-60), Tiago de Zebedeu morreu pela espada nas mãos de Herodes (Atos 12:2), Tiago, irmão de Jesus, foi assassinado [4] e Pedro e Paulo morreram pelas mãos de Nero [5].

6. Evidencia documental. A evidência documental para a ressurreição de Jesus é muito boa. O historiador procura descobrir quantas fontes primárias e secundárias [6] podem ser reunidas para um evento para determinar a sua historicidade. Em relação às fontes primárias, a ressurreição tem o relato de Mateus, o relato de João e o relato de Paulo em 1 Coríntios 15, incluindo as referências adicionais de Tiago (se alguém aceita que Tiago escreveu a carta atribuída a ele) e Judas. São fontes secundárias para a ressurreição: Lucas, Marcos, Clemente de Roma e, em menor grau, Inácio e Irineu.

7. Evidência circunstancial. Douglas Groothius observa que a evidência circunstancial da historicidade da ressurreição é “a prática da igreja primitiva na observação do batismo, da Ceia do Senhor e da adoração dominical” [7]. O batismo baseia-se na analogia da morte, sepultamento e ressurreição de Jesus. A Ceia do Senhor é um símbolo da morte sacrificial de Cristo. Além disso, é bastante estranho que os judeus fiéis mudassem sua adoração de uma noite de sexta-feira para sábado a domingo, a menos que algo importante ocorresse em uma manhã de domingo. O grande evento de domingo de manhã foi a ressurreição de Jesus.

8. O Motivo Perdido. [O detetive] J. Warner Wallace observou em suas palestras e livros que quando uma conspiração é formada, três fatores motivadores estão por trás desse movimento – poder, ganância e/ou luxúria [8]. Os discípulos não teriam nenhum motivo oculto para reivindicar a ressurreição como história. Eles estavam circulando por aí, sendo muitas vezes ameaçados pelas autoridades judaicas e romanas. Quanto à cobiça, ensinaram que não se deve desejar bens terrenos, mas espirituais. A luxúria também não era um fator. Eles ensinaram o celibato antes do casamento e a fidelidade conjugal após o casamento. De fato, N. T. Wright observa em seu livro clássico, A ressurreição do Filho de Deus, que os discípulos não tinham nenhuma motivação teológica oculta reivindicando que Jesus havia ressuscitado dos mortos como eles estavam antecipando um herói militar e uma ressurreição final no fim dos tempos. Que fatores motivadores existiam para que esses discípulos inventassem tal história? Nenhum! A única razão pela qual os discípulos ensinaram a ressurreição de Jesus foi porque a ressurreição de Jesus tinha ocorrido.

9. Atestado por um inimigo da Ressurreição. Historicamente falando, se alguém detém o atestado do inimigo de um evento, então o evento é fortalecido. Quando se considera as reivindicações das autoridades de que os discípulos tinham roubado o corpo de Jesus (Mateus 28:11-15), o testemunho da ressurreição é fortalecido. A crença inicial de que os discípulos tinham roubado o corpo de Jesus é reforçada pela descoberta da Inscrição Nazaré que ordena a pena capital para quem rouba um corpo de um túmulo [9]. Além disso, várias referências a Jesus e sua ressurreição incluem citações de Josefo [10], Tácito [11] e Suetônio [12], entre outros (incluindo o Talmude Babilônico).

10. Múltiplas testemunhas oculares pós-ressurreição. Finalmente, há vários testemunhos oculares relacionados à ressurreição de Jesus. Várias pessoas tinham visto Jesus vivo por um período de 40 dias. As testemunhas oculares incluem Maria Madalena (João 20:10-18), as mulheres que acompanhavam Maria no túmulo (Mateus 28:1-10), os guardas romanos (Mateus 28:4), os Onze discípulos (João 21), os dois homens no caminho de Emaús (Lucas 24:13-35), um número indeterminado de discípulos (Mateus 28:16-20); mais de quinhentos discípulos (1 Coríntios 15:6), a Tiago (1 Coríntios 15:7) e a Paulo (1 Coríntios 15:8-9). Estou certo de que houve muitas outras testemunhas que são anônimas.

Conclusão

Muitas outras evidências poderiam ser dadas para a ressurreição de Jesus. Pensando nos métodos da história, é preciso entender que há uma razão pela qual os americanos aceitam o primeiro presidente dos Estados Unidos como George Washington e não Bob Esponja. A História apoia a alegação de que Washington foi o primeiro presidente. Da mesma forma, a história apoia a realidade da ressurreição de Jesus. Agora, a questão é esta: O que você vai fazer com essa informação? Alguns vão tentar ignorar o evento. Alguns tentarão descartá-lo. Outros reconhecerão a natureza factual do evento e adorarão Jesus como o Senhor ressuscitado. É minha oração que você faça o último.


Notas:

[1] Salvo indicação em contrário, todas as Escrituras citadas vêm da Bíblia Cristã Padrão (Nashville: Holman, 2017).

[2] Gary R. Habermas e Michael R. Licona, The Case for the Resurrection of Jesus (Grand Rapids: Kregel, 2004), 48-50, 64-69.

[3] Josefo, Antiguidades XX.200.

[4] Ibid.

[5] Eusébio, História da Igreja XXV.5.

[6] Fontes primárias são documentos escritos por testemunhas oculares. Fontes secundárias são documentos escritos por indivíduos que conhecem testemunhas oculares. Por exemplo, meu avô foi uma testemunha ocular da maior batalha naval na história da Segunda Guerra Mundial. Das informações que meu pai recolheu dele, ele seria uma fonte secundária, enquanto meu avô teria sido uma fonte primária.

[7] Douglas Groothius, Christian Apologetics: A Comprehensive Case for Biblical Faith (Downers Grove; Nottingham, UK: IVP Academic; Apollos, 2011), 553-554.

[8] Ver J. Warner Wallace, “Resposta rápida: Eu acho que os discípulos mentiram sobre a ressurreição”, Cold-case Christianity.com (17 de outubro de 2016), acessado em 11 de abril de 2017, http://coldcasechristianity.com/2016/rapid-response-i-think-the-disciples-lied-about-the-resurrection/.

[9] Ver http://www.biblearchaeology.org/post/2009/07/22/The-Nazareth-Inscription-Proof-of-the-Resurrection-of-Christ.aspx#Article.

[10] Josefo, Antiguidades XX.9.1.

[11] Tácito, Anais XV.

[12] Suetônio, Vidas dos Césares-Claudio 25 e Suetônio, Vidas dos Césares-Nero 16.


Texto de Brian Chilton, fundador do BellatorChristi.com e anfitrião do The Bellator Christi Podcast. Recebeu seu Mestrado teológico em Divindade pela Liberty University, seu Bacharel de Ciências em Estudos Religiosos e Filosofia da Gardner-Webb University, recebeu certificação em Apologética Cristã da Biola University, e espera trabalhar em estudos de doutorado em breve. Brian é o pastor da Igreja Batista de Huntsville em Yadkinville, Carolina do Norte.

Traduzido de https://bellatorchristi.com/2017/04/11/10-reasons-to-accept-the-resurrection-of-jesus-as-an-historical-fact/.

Anúncios