O sangue do Cordeiro

sangue

A Bíblia relata que o povo de Israel foi escravizado na terra do Egito por cerca de 400 anos. Depois de muito sofrimento e súplica, Deus atendeu a oração daquele povo e viu o sofrimento de Israel:

“Disse o Senhor: ‘De fato tenho visto a opressão sobre o meu povo no Egito, tenho escutado o seu clamor, por causa dos seus feitores, e sei quanto eles estão sofrendo.'” (Êxodo 3:7)

Deus então deu início ao processo de libertação, e enviou dez pragas sobre toda a terra do Egito. A décima praga (a morte dos primogênitos) foi de grande dor e destruição em toda a terra do Egito, visto que em praticamente toda casa havia um primogênito:

“Haverá grande pranto em todo o Egito, como nunca houve an­tes nem jamais haverá.” (Êxodo 11:6)

Os israelitas foram orientados por Deus a sacrificar um cordeiro novo por cada família. O cordeiro teria que ser sem defeito, sem mancha, e o seu sangue seria aspergido sobre as ombreiras das portas das casas do povo de Israel. Dessa forma, o Senhor deu livramento ao Seu povo e destruiu todos os primogênitos egípcios.

“O sangue será um sinal para indicar as casas em que vocês estiverem; quando eu vir o sangue, passarei adiante. A praga de destrui­ção não os atingirá quando eu ferir o Egito.” (Êxodo 12:13)

O anjo da morte mataria o primogênito das famílias que não obedecessem e não colocassem o sangue do cordeiro em suas portas.

É verdade que isso aconteceu há muito tempo, porém algo parecido acontece ainda hoje, afinal aquele fato era apenas uma sombra do que iria acontecer e está acontecendo: Jesus Cristo é a perfeição de tudo. Ele é o Cordeiro de Deus, puro, sem mancha e sem defeito, que tira o pecado do mundo, e que derramou o Seu sangue puro para nos proteger da destruição e da morte. “No dia seguinte, João viu Jesus aproximando-se e disse: ‘Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!’” (João 1:29)

Quando alguém confessa a Cristo como Senhor e Salvador, automaticamente o sangue do Cordeiro de Deus passa a proteger sua vida, sua família e sua casa, de modo que o anjo da morte não a atingirá, porque a proteção do Sangue de Jesus Cristo estará nas ombreiras de sua casa: “Assim, Jesus também sofreu fora das portas da cidade, para santificar o povo por meio do seu próprio sangue” (Hebreus 13:12).


Mas por que Deus teve que mandar o povo de Israel marcar suas portas com o sangue do cordeiro para não matar ninguém “por engano” se Ele é onisciente?

Diante do que foi exposto, cabe entender que aqui não está em jogo a onisciência de Deus, mas sim a obediência do povo. Deus estava providenciando para Israel a libertação, a salvação. Assim, todo aquele que aceitasse essa providência divina em sua vida deveria ser obediente ao Senhor. E o mesmo acontece ainda hoje com o Sangue do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo: todo aquele que aceita a salvação de Deus, oferecida através do sangue de Jesus Cristo, deve ter a “marca de Cristo”, que é a vida transformada, santificada e repleta de boas obras (2 Coríntios 5:17; Efésios 2:10; Tiago 2:14-26).