Judas cita o não-inspirado Livro de Enoque como tendo autoridade divina?

Judas cita Enoque, dizendo: “E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: ‘Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos'” (Judas 1:14). Mas o Livro de Enoque é considerado apócrifo (falso, sem inspiração divina) pela igreja cristã.

Judas cita o não-inspirado Livro de Enoque como tendo autoridade divina?

Não é certo que Judas de fato esteja citando o Livro de Enoque. Ele pode simplesmente estar mencionando um acontecimento que é encontrado também nesse livro não inspirado. Judas não afirma que Enoque ESCREVEU essa afirmação, apenas registra que Enoque DISSE isso (v. 14). Ele pode ter usado uma tradição oral válida ou uma revelação divina, e não o Livro de Enoque. E, portanto, isso não significa que o apócrifo Livro de Enoque seja inspirado, mas também não significa necessariamente que tudo o que nele é registrado seja falso.

Veja, por exemplo, o caso da citação feita por Paulo em Atos 20:35: “Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: ‘Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.’” Paulo cita uma frase de Jesus que não está registrada nos Evangelhos, mas isso não significa que Jesus nunca tenha dito isso, afinal os evangelistas não registraram TODAS as palavras que Jesus proferiu. Paulo pode tanto ter recebido essa informação dos outros apóstolos, como pode também ter recebido diretamente do Senhor nas vezes que Este Se revelou a ele.

“Judas cita uma profecia de Enoque que não é encontrada no Antigo Testamento. Considerando que Judas escreveu sob a inspiração de Deus, isso pode ter sido revelado a ele, como aconteceu com muitas outras coisas nas Escrituras, as quais não poderiam ter sido conhecidas de outra maneira. Ou talvez ele tenha sido inspirado a registrar o que havia sido transmitido de forma oral ao longo do tempo. Existe um livro apócrifo chamado ‘O Livro de Enoque’, do qual alguns acreditam que Judas tivesse obtendo sua citação, porém não é um livro inspirado. Mas também não há qualquer evidência de que tal livro existisse nos tempos de Judas. Ele se refere ao Messias como “Filho de Deus”, o que pode ser considerado uma prova conclusiva de que ele tenha sido escrito na era cristã.” (Concise Bible Dictionary)

A evidência externa a respeito do livro de Judas é muito grande, do tempo de Irineu (cerca de 170 d.C.) para frente. Ele está no papiro Bodmer (P72) de 250 d.C., e trechos dele acham-se muito antes em Didakhê (2:7), que provavelmente data do segundo século. Assim, há evidência para a autenticidade do livro de Judas, que não é diminuída por essa alusão ao que Enoque disse. A existência de Enoque e a sua comunicação com Deus é um fato estabelecido em outras partes da Bíblia, tanto no Antigo (Gn 5:24) quanto no Novo Testamento (Hb 11:5).


Referências:

GEISLER, Norman L.; HOWE, Thomas. Enciclopédia: Manual Popular de dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia. Tradução de Milton Azevedo Andrade. São Paulo: Mundo Cristão, 1999.

Concise Bible Dictionary.