Adão e Eva tinham umbigo?

adao-e-eva

“…Será que Adão tinha umbigo? Vale a pena observar que alguns criacionistas modernos, incluindo Ken Ham (por cujo trabalho tenho o maior respeito), acreditam que a resposta seja não,  porque o umbigo é  uma cicatriz do cordão umbilical, e um ser criado – não gerado – não teria porque ter essa cicatriz. A questão sobre o fato de Adão ter ou não umbigo pode soar fútil, mas na Idade Média e no Renascimento isso era um tema de debate freqüente. Artistas que pintaram Adão e Eva no Éden se deparavam com um dilema teológico: nossos primeiros ancestrais deveriam ser retratados com umbigo ou não? Não foram poucos os artistas que resolveram o problema pintando folhas bastante grandes para cobrir até a região do umbigo. Mas em seu famoso quadro que é a peça central do teto da Capela Sistina, Michelangelo deu a Adão um umbigo impressionante. E foi duramente criticado por isso por alguns dos teólogos mais severos de seu tempo. Mas seria tão extremo assim pensar que Deus pudesse ter criado Adão com umbigo? Afinal de contas, o umbigo é uma parte integrante da anatomia humana. A estrutura de nossos músculos abdominais é projetada para acomodar um umbigo. Não consigo pensar em nenhuma razão necessária, teológica ou bíblica, para que Adão e Eva não tivessem umbigos. Nossos patriarcas pareciam adultos normais em todos os aspectos. Provavelmente tinham calos para proteger as solas de seus pés como todos os adultos e seus dentes eram regulares, como se fossem utilizados normalmente, e não afiados, como se nunca tivessem sido utilizados. É claro, toda a questão envolvendo o fato de Adão e Eva terem ou não umbigos (ou calos, ou dentes regulares) é meramente especulativa. As Escrituras simplesmente não se referem ao assunto. Portanto, embora o assunto ainda seja intrigante, não há necessidade de reviver um debate tão trivial com intensidade medieval. Continua o fato, no entanto, de que Adão tinha muitas características associadas à maturidade. Ele não foi criado como embrião nem como bebê. Ele era um homem completamente crescido. Não há motivo para duvidar que tivesse essas características normais de adultos…”.


Fonte: John MacArthur Jr., Criação ou Evolução, Editora Cultura Cristã, 2004, p. 48.